Áreas limpas: 5 razões para você começar a investir já

O ponto de partida para se ter sucesso no mundo dos negócios das áreas limpas (mais especificamente nos segmentos laboratoriais, que vão desde alimentício, farmacêutico, microbiológico, microeletrônico até envase de bebidas e outros) é saber escolher bem os seus fornecedores, pois, eles serão seus parceiros e muitas vezes responsáveis pelo resultado que será entregue ao seu cliente.

Sabemos que para vender BEM é fundamental comprar e investir BEM.

No que diz respeito a salas limpas a escolha do fornecedor torna-se essencial, pois, a qualidade do serviço prestado garante o controle e a segurança do usuário e do consumidor.

Por isso, no post de hoje, contaremos as 5 principais razões para começar a investir em áreas limpas. Fique com a gente e confira!

1. Segurança

É importante escolher fornecedores que estejam alinhados aos seus objetivos, além de estar em sintonia com a missão, visão e valores da empresa. Ele, junto de outras peças do seu negócio, lhe dará a competência de atuar de forma eficaz e efetiva dentro do seu segmento. Qualquer desacerto nesse campo pode colocar em risco a imagem da empresa, já que estamos tratando de soluções que carregam consigo grande responsabilidade em questões de saúde e segurança.

Um bom fornecedor de salas limpas pode ser seu grande aliado e auxiliá-lo na entrega final do seu produto e/ou serviço. Ao contrário, pode representar o fracasso e falta de segurança e credibilidade do seu negócio, causando danos irreversíveis.

É fundamental que o seu fornecedor de salas limpas assegure a implementação de práticas e programas que garantam a proteção de riscos, perigos ou perdas. Essa é uma maneira de demonstrar que a parceria apresenta preocupações de caráter preventivo. Desta forma, o fornecedor assume a responsabilidade de assegurar a segurança e a integridade física das instalações e das pessoas que se encontram no local.

2. Aumento de produtividade

São muitas as indústrias que necessitam de salas limpas. Embora este fenômeno tenha surgido há mais de 150 anos, a princípio, as salas limpas eram destinadas ao controle de infecção bacterianas em hospitais. Entretanto, nos anos de 1950 houve uma crescente necessidade de um ambiente limpo para produção industrial, o que levou a uma modernização das salas limpas.

Esta evolução dos padrões de qualidade e aceitação transformou muitas atividades da sociedade moderna e gerou uma constante busca por produtos cada vez mais sofisticados. O que ocasionou em processos de alta performance, com equipamentos de alta precisão e controles eletrônicos de última geração.

As salas limpas são necessárias em laboratórios e indústrias de diversos segmentos, no qual partículas em suspensão com o ar e demais elementos contaminantes podem comprometer o processo produtivo acarretando inúmeros prejuízos materiais, financeiros e até mesmo humanos.

3. Tecnologia no processo produtivo

Com o avanço o tecnológico, a indústria de salas limpas teve que acompanhar este ritmo, oferecendo produtos eficientes, com baixo custo, sustentáveis e de acordo com as exigências dos órgãos reguladores. Daí surgem as tendências e inovações para salas limpas, o que garante maior tecnologia para o processo produtivo.

Motivado por este conceito, nos últimos tempos, houve uma crescente busca deste mercado em desenvolver produtos cada vez mais tecnológicos.

Um dos exemplos é a tendência em substituir os cantos arredondados em alumínio por canto arredondado integrado ao piso, deixando uma superfície contínua com um raio de 50 a 70 mm.

Podemos citar como um exemplo de inovação as divisórias em painéis com substrato em lã de rocha, que traz um acabamento mais liso, facilitando a limpeza, o que impede a liberação de partículas, suportando ainda os principais processos de industrialização, como corte, dobra, puncionamento, perfilação e estampagem sem alterar a qualidade final do produto.

Outro produto que está em alta e tem sido cada vez mais utilizado no mercado de salas limpas são as divisórias de vidro, com exceção de fronteira de contenção biológica, podendo ser utilizadas em todos os segmentos.

Possui facilidade para limpeza, principalmente, no controle produtivo. O problema é que se não for bem instalada pode ter falhas na vedação, podendo ocasionar problemas de contaminação cruzada.

Não podemos deixar de considerar as luminárias de Led, fabricadas em chapas de aço tratado, podendo ser dimensionadas conforme a necessidade de cada projeto e ainda proporciona uma economia de até 80% de energia.

Alguns equipamentos trazem o que é há mais moderno e inovador no mercado de salas limpas, garantindo maior tecnologia ao processo produtivo. É o caso do Air Shower, Pass Through e as Unidades de Tratamento de Ar.

4. Cumprimento das normas para áreas limpas

Quando falamos em áreas limpas, um dos primeiros aspectos a se considerar é o atendimento das especificações técnicas, assim como das normas de segurança. É fundamental que o seu fornecedor conheça e siga a risca as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Exija sempre a legalidade dos fornecedores em todos os níveis de segurança e qualidade. Essa é uma das principais formas de evitar problemas no futuro.

Desde o surgimento das primeiras necessidades para o processo de salas limpas até os dias atuais aconteceram diversas adequações nas Normas e nas exigências. Atualmente essas Normas vêm sendo desenvolvidas para atender a crescente necessidade da indústria de salas limpas.

Este tema pode ser muito bem ilustrado quando falamos sobre o tamanho das partículas determinadas nas Normas de salas limpas. Considerando a unidade de medida de um micrometro = 1 um é um milionésimo de um metro, quase imperceptível a visão humana.

As salas limpas são classificadas de acordo com a limpeza do ar dentro delas. A norma que embasa essa classificação, na maior parte do mundo é a ISO 14644-1:1999.

Lembre-se sempre que é possível seguir as regras que o governo e a qualidade impõem e ainda ganhar muito com isso.

5. Garantia de Qualidade

Um bom exemplo de garantia de qualidade é quando falamos em captação do Ar Externo (ar atmosférico). Este deve ser realizado em local longe de fontes de contaminação ou calor, como por exemplo, ruas sem calçamento, torres de resfriamento de água, chaminés, escapes de motores de combustão e de ponto de descarte de ar contaminado resultante de outras áreas produtivas ou laboratórios. Não se atentar a esses requisitos pode acarretar em problemas na qualidade do ar tratado, danos no sistema de tratamento (em especial nos elementos filtrantes) e possível aumento no consumo de energia.

Outro fator importante que devemos considerar é a entrada de partículas de grandes dimensões no sistema de ar. Para se proteger dessas questões, deve-se utilizar o duto na entrada de capacitação de ar. Uma vez que estão ligados as UTA (Unidade de Tratamento de Ar), tornam-se responsáveis em distribuir o ar condicionado pelo edifício e retornar o ar de extração às UTA.  Embora, uma UTA possa exercer tal função sem passar pelos dutos.

O sistema de filtragem de ar é outro quesito que devemos nos atentar, pois tem o objetivo de fornecer níveis aceitáveis de contaminantes particulados dentro do sistema de AVAC. O grau de pureza do ar pode ser conquistado através da correta utilização dos filtros nas UTA, nos dutos de abastecimento e retorno e também na tomada de ar exterior. O cálculo correto do sistema de filtragem é decisivo para o estabelecimento de padrões de limpeza das áreas limpas e para redução de partículas no ar a níveis aceitáveis.

Sendo assim, durante a criação de um projeto para uma área produtiva é preciso considerar as posições para ocupação de ar que irão abastecer o sistema. Estes são apenas alguns exemplos de como garantir a qualidade do seu processo produtivo.

Gostou das nossas dicas sobre áreas limpas? Quer saber mais? Então siga-nos no Facebook e no Linkedin para não perder mais conteúdos como estes!

Gostou do conteúdo?

Clique nos botões abaixo e compartilhe.

O que você gostaria de acessar?